Publicidade/DigiSat

Dino acena para oposição e diz que "não existe lado pol√≠tico" no STF

Na sua primeira manifestação p√ļblica, ministro da Justiça diz, ao chegar ao Congresso nesta quarta-feira (29/11), que ir√° procurar todos senadores, "com muita humildade"; confira o v√≠deo

Por Evandro Éboli em 29/11/2023 às 15:09:22
Flávio Dino durante coletiva no Congresso, com o relator do caso, Weverton Rocha (à esquerda), e o presidente em exercício do senado, Veneziano Vital do Rêgo - (crédito: Evandro Éboli/CB/DA.Press)

Flávio Dino durante coletiva no Congresso, com o relator do caso, Weverton Rocha (à esquerda), e o presidente em exercício do senado, Veneziano Vital do Rêgo - (crédito: Evandro Éboli/CB/DA.Press)

Na sua primeira manifestação pública desde que foi indicado pelo presidente Luiz In√°cio Lula da Silva para ocupar uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro da Justiça, Fl√°vio Dino, fez um discurso de aceno para a oposição, disse que vai procurar todos os senadores, "com respeito e humildade", e que não h√° governo e oposição nesse "tipo de matéria".

Dino conversou com os jornalistas após encontro com o presidente em exercício do Senado, Veneziano Vital do R√™go (MDB-PB).

"Nessas matérias, para mim, não tem governo e oposição. Esse é um tema do país. E quem vai ao Supremo (STF) ou pretende ir, evidentemente ao vestir uma toga deixa de ter lado político. Não olha se é governo ou oposição. Olha para o país, para a instituição", afirmou Dino.

Perguntado se tem procurado a oposição, o ministro evitou citar nomes, mas disse que est√° falando com todos e fazendo reuniões até tarde da noite. Questionado se procuraria o senador Fl√°vio Bolsonaro (PL-RJ), respondeu: "Ele é senador".

"Um ministro do Supremo não tem partido"

Sobre as rusgas e bate-bocas com a oposição no Congresso, em especial com os deputados em audi√™ncias públicas na C√Ęmara, Dino afirmou que "o perfil combativo é próprio da política. Evidentemente, quando voc√™ muda de função, voc√™ muda o perfil de sua atuação".

E afirmou também que, uma vez no STF, se aprovado no Senado, l√° não ter√° lado. "Um ministro do Supremo não tem partido, não tem ideologia, não tem lado político."

O ministro afirmou, ainda, que sempre fez visita a senadores desde que assumiu seu primeiro mandato como deputado federal, em 2007.

Fonte: Correio Braziliense

Comunicar erro
Publicidade/Eletrotech

Coment√°rios

Publicidade/Armarinho Morais