Publicidade

Ex-prefeito Segundo Santiago é processado por crime de calúnia ao fazer política em cima de atentado de radialista.

Por Francisco Marcos Pereira em 11/11/2022 às 08:51:34

O ex-prefeito José Nilson Santiago Segundo, foi processado junto ao Juizado Especial Misto da Comarca de Sousa por crime de calúnia, injúria e difamação

A ação diz que no último dia 27 de agosto de 2022, os cidadãos do Município de Uiraúna se depararam com a transmissão do Programa PASSANDO A LIMPO, da Rádio Mais FM 100.1, com conteúdo repleto inverdades alegadas pelo Sr. José Nilson Santiago Segundo, conforme gravação em anexo, veja abaixo:


Primeiramente, para que entendamos a gravidade das condutas imputadas ao réu, é preciso analisar o contexto em que essas se passaram, desse modo, cumpre pontuar que no dia 26 de agosto de 2022, o radialista Rafael Mathias foi agredido e teve seu carro roubado no município de Uiraúna. Posteriormente, durante participação no programa destacado, o ex-prefeito de Uiraúna, insinuou que a responsável pelos crimes acima cometidos teria sido a atual gestora da edilidade, em uma tentativa de ameaçar os populares do município.

Na ação a prefeita alega que o ex-prefeito Segundo Santiago ao proferir afirmações inverídicas, extrapolou os limites da liberdade política e incorreu em tipificação disposta na legislação como conduta criminosa. Como é de clara leitura, o representado atribuiu o roubo e a agressão sofridos pelo sr. Rafael a Prefeita Leninha Romão. As afirmações ocorreram a partir do minuto 1:40:05 do Programa Passando a Limpo.

VEJA UM TRECHO DA PARTICIPAÇÃO DO EX-PREFEITO:

"Erivan, eu quero também aqui me solidarizar com companheiro Rafael, este jovem radialista que no dia de ontem passou por uma situação que nos Estranha como foi que aconteceu e o tipo de ação tem nenhuma finalidade, apenas para pregar medo, é isso que nós extraímos do acontecimento de ontem. Eu tenho que eu tô percebendo no município de Uiraúna o que está se implantando é violência, o coronelismo, é a vontade de calar a população imprimindo medo, eu acho muito estranho isso que tá acontecendo porque as críticas que acontece À gestão não demora muito a ter uma reação violenta, é de se estranhar, porque outro exemplo que a gente testemunha aqui foi quando aconteceu uma crítica e alvejaram uma carreta a bala e agora é uma crítica e a gente tá vendo a opressão querendo imprimir o medo. Eu quero dizer a toda a sociedade que o Uiraúna que a Imprensa Livre, é aberta, nós moramos num país democrático e que existe situação e oposição meio é para aqui é o contrário possa chamar a atenção para quem que se coloca à frente da administração se corrija naquilo que estiver errado, e eu acho que esse tipo de conduta que tá acontecendo, e nos chama atenção e está chamando a atenção da população, o sentimento que está de opressão e medo a quem faz qualquer crítica chama nossa atenção e chama a atenção das autoridades policiais desses estados. Aqui eu quero me reportar a polícia de Uiraúna e ao secretário de segurança do estado, para que veja essa situação dentro de Uiraúna, porque o povo não pode ficar Refém, o povo quer resposta para as ações de criminalidade que tá acontecendo no município de Uiraúna, e eu serei uma bandeira que irá cobrar, seja com João Azevedo, seja secretário de segurança, para que respeite o direito de ir e vir, respeite à liberdade de imprensa, que respeite a vontade e a pluralidade de pensamento e isso, Rafael Matias, pode contar comigo, pode ficar certo estarei cobrando, não só pela sua pessoa mas está por todos os atos que aconteçam e que precisem de esclarecimento dentro do município de Uiraúna. Sou um parceiro da legalidade e quero que o povo de Uiraúna mantenha o que sempre manteve dentro de Uiraúna, que foi a paz , a Fraternidade, a Tranquilidade, e nós precisamos dar continuidade nessa cidade avançando com esse sentimento, e não consentimento retrógrado de antigamente, em que se conquistava as coisas pela opressão, pelo medo, pelo chicote, pelo sentimento de coronelismo em que o cidadão não tinha opinião própria e não podia expressar opinião própria, e o povo hoje, a partir de 1988 tem uma constituição em que nós devemos enxergar os seus princípios da liberdade e o próprio estado resguardar a segurança pública do Povo de Uiraúna (...)"

Ante ao exposto, a denúncia requer que:

1. O recebimento da presente Queixa Crime, e seu devido processamento por este juízo;

2. A citação do querelado para que o mesmo, querendo, utilize-se dos meios de defesa;

3. A produção de todos os meios de prova admitidos no direito, em especial a produção de prova testemunhal, apresentando o rol em momento oportuno;

4. No mérito, pede-se a procedência total dos pedidos, com a condenação do representado nos termos do art. 138, 139 e 141do CP, imposição de multa e demais sanções cabíveis.

Dá-se a causa o valor de R$ 1.000,00.

Nesses termos,

Pede deferimento.

Fonte: Da Redação do Portal Nordeste

Comunicar erro
Publicidade

Comentários

Publicidade/Armarinho Morais